Hiroshima

HIROSHIMA – A CIDADE QUE RENASCEU DAS CINZAS!


Olá,
Quem nunca ouviu falar da cidade de Hiroshima (em japonês 広島)? Impossível né! Matéria obrigatória nas aulas de história em qualquer escola! Mas, talvez os mais jovens não devem saber do que aconteceu ali.
Naquela calorosa manhã de segunda-feira, dia 6 de agosto de 1945, exatamente às 8 horas e 15 minutos, o Enola Gay, um avião de bombardeio americano, lançou a primeira bomba atômica mundial, denominada Little Boy, sobre a cidade, matando instantaneamente por volta de 80 mil pessoas. O poder da bomba foi tão grande que foi engolindo tudo dentro de um raio de dois quilômetros. Muitas pessoas, edifícios, crianças simplesmente viraram pó! Ao final do ano, ferimentos e a radiação causaram um total de 90 a 140 mil vítimas. Aproximadamente 69% das construções da cidade foram completamente destruídas e cerca de 7% foi severamente danificada.
Lembro bem de ter visto um vídeo chocante na faculdade sobre os impactos da bomba atômica. Fui embora atordoada com aquelas imagens horríveis na cabeça. Mas nunca pensei que um dia fosse pisar aqui.
Um passeio triste, e ao mesmo tempo, motivador, sim, porque mesmo diante da destruição e da derrota perante o mundo, os japoneses se uniram e conseguiram reconstruir pedacinho por pedacinho. Hoje, Hiroshima é a principal cidade da região de Chugoku com mais de um milhão de habitantes e em 1949 foi proclamada uma Cidade da Paz pelo parlamento japonês.
Bem, vamos aos principais pontos turísticos:
Parque Memorial da Paz: Nesse parque com mais de 120 mil metros quadrados, estão localizados os principais monumentos em homenagem às vitimas da bomba atômica (vou enumerá-los abaixo). No passado, essa área era o centro político e comercial da cidade, talvez por esse motivo, tenha sido alvo. Quatro anos após o terrível dia, os japoneses decidiram que esse local deveria ser dedicado às instalações de um Memorial da Paz.
1. Museu Memorial da Paz: Composto por dois prédios, seu principal objetivo é mostrar as conseqüências da bomba atômica e conscientizar as pessoas do poder destrutivo dessa arma. O ingresso tem um valor simbólico (custa 50 ienes). Tamanha é a preocupação dos japoneses em fazer com que essa mensagem de paz atinja todos os povos que panfletos e explicações do acervo estão em vários idiomas. Sinceramente pessoal, se você é uma pessoa sentimental, não recomendo. É muito triste! Ali estão expostos vestimentas, objetos pessoais, vídeos, fotos, pedaços de unhas, pele, cabelo, roupinhas de bebês. Se a intenção era realmente chocar e criar um impacto nas pessoas, os japoneses estão de parabéns, conseguiram. Você sai de lá arrasada com tamanha crueldade do Homem. Olha, eu vou poupá-lo das fotos mais cabulosas, mas caso tenha curiosidade, veja o vídeo (deixarei o link no final do post).
Como a cidade era antes da bomba

Como a cidade ficou após a queda da bomba

Parou de funcionar na hora exata que a bomba caiu


2. Cúpula de bomba atômica: O antigo edifício da Promoção Industrial da Prefeitura foi um dos únicos edifícios que permaneceram em pé após o ataque. O governo japonês decidiu não demoli-lo e conservá-lo assim através dos anos. É considerado um Patrimônio Mundial da UNESCO. Impossível cruzar a cidade sem vê-lo e relembrar do acontecido. 
3. Monte Memorial da Bomba Atômica: Aqui foram depositadas as cinzas de 70 mil vítimas não identificadas
4. Monumento das Crianças à Paz: Em memória das crianças que foram vítimas da bomba e também uma homenagem à Sadako Sasaki. Você certamente sabe quem ela era? Conhece a história dos tsurus(aquele passarinho que fazemos de origami)? Sadako Sasaki tinha apenas dois anos quando a bomba atômica explodiu em Hiroshima. Milagrosamente, ela conseguiu sobreviver. Aos 12 anos, descobriu que estava com leucemia, um tipo de câncer no sangue, e logo foi internada. Um dia, sua amiga Chizuko foi lhe visitar e levou consigo folhas de origami. Ela então conta à Sadako a lenda dos tsurus: “Dizem que o tsuru, uma ave sagrada aqui no Japão, consegue viver por cem anos. Se conseguir dobrar mil tsurus de origami, os deuses lhe concederão um desejo”. Após ouvir aquilo, Sadako começou a fazer as dobraduras na esperança de curar-se. Ela dobrou 644 pássaros, mas faleceu em 15 de outubro de 1955. Seus amigos fizeram mais 354, para que ela fosse enterrada com os mil tsurus. Até hoje os turistas do Japão e de todas as partes do mundo fazem as dobraduras e deixam ali em homenagem à Sadako. 
Essas casinhas atrás são para deixar os origamis
Tsurus deixados em homenagem à Sadako
5. Cenotáfio às vitimas da bomba atômica: Um Memorial com a seguinte frase “Descansai em paz, pois o erro jamais se repetirá”. No fundo está a Chama da Paz que permanecerá acesa enquanto o perigo da bomba atômica ainda ameace o planeta. 
Existem muito outros monumentos, mas se for listar todo, escreverei um livro! Todos os anos, no dia 6 de agosto, é realizada uma cerimônia no parque. Além de vários discursos, grinaldas são colocadas no Cenotáfio e um momento de silêncio é feito às 8:15 horas da manhã.
Centro de Hiroshima: Como toda grande metrópole, a vida noturna é bem movimentada por ali. A principal rua é a Hondori, uma galeria de pedestres, fechada ao trânsito, com muitas lojas e restaurantes. Paralela à ela, está a Rua Aioidori usada por carros e bondes. Ali estão grandes lojas de departamento, restaurantes e lojas. Ah … e não deixe de provar o famoso okonomiyaki de Hiroshima! 
Esses bondinhos que cruzam a cidade são uma graça!
Castelo de Hiroshima: A maioria dos castelos japoneses foram construídos no alto de montanhas ou cumes, mas esse prova que também é possível conservar uma fortaleza em uma planície e no centro de uma cidade. Construído em 1589 pelo poderoso senhor feudal Mori Terumoto, o Castelo de Hiroshima possui cinco andares e é cercado por um fosso. Foi poupado da demolição durante a Restauração Meiji e conseguiu sobreviver à era moderna, mas, infelizmente, como o resto da cidade, foi destruído pela bomba atômica em 1945. Treze anos mais tarde, foi refeito em concreto e o exterior em madeira. A entrada custa 360 ienes e o acesso ao parque é gratuito.
Peço desculpas pelo post longo! Até hoje esse é um assunto polêmico por aqui. Muitos japoneses culpam os Estados Unidos por essa tragédia, outros, no entanto, dizem que os americanos apenas responderam ao ataque à base de Pearl Harbor, Havaí. E o Japão sofre as conseqüências dessa derrota até hoje. Afinal, mesmo depois de tanto tempo, as bases americanas ainda estão instaladas aqui. Okinawa, Yokohama, Zama são alguns exemplos. Muita discussão entre cidadãos, políticos e partidos, mas tudo segue como era.
O que você acha de tudo isso? Deixe seu comentário!
E se você é uma pessoa forte, assista ao video!
 
Até mais,
Thais Fioruci
Referências:

14 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *