HELLO WORK – AS AGÊNCIAS DE EMPREGO NO JAPÃO


Olá,
Você sabe o que são as “Hello Work”? Bem, quem trabalha ou já trabalhou aqui sabe do que estou falando. As “Hello Work” (sim, o nome é em inglês! Escreve-se em katakana ハローワーク e os japoneses pronunciam harōwāku) são as Agências Públicas de Emprego no Japão. Espalhadas por todo o país, elas ajudam os desempregados à buscarem uma recolocação no mercado de trabalho e também providenciam um auxilio financeiro para que possam viver nesse período. 
Bem vindo à Hello Work!
Logo após o desligamento da empresa, o desempregado deverá procurar a agência mais próxima da sua casa e dar entrada no processo. Depois, terá que comparecer mensalmente para comprovar o que eles chamam de “estado de desemprego”, ou seja, você está procurando serviço, mas ainda não conseguiu. Existe uma ficha que o trabalhador precisa preencher com os dados das empresas em que fez contato, assim como, declarar caso tenha feito algum serviço temporário. Feito isso, o pagamento é depositado na conta bancária em um período de 7 dias. Esse direito também é extendido aos estrangeiros que contribuíram por mais de 6 meses com esse seguro.
Para procurar emprego, basta ir até a agência e acessar o sistema (integrado no país inteiro), para buscar uma vaga. Mas, se não dominar informática ou entender o anúncio, todo escrito em kanjis, pode falar com um dos atendentes. Eles irão verificar as oportunidades disponíveis e quais se encaixam melhor no seu perfil. Como muitos estrangeiros não dominam a língua local, alguns escritórios disponibilizam um tradutor, geralmente em português/espanhol, para ajudar no esclarecimento das dúvidas.
Uma das várias agências espalhadas pelo país
E uma coisa que achei interessante. Aqui, qualquer trabalhador, conforme já dito, que tenha contribuído no mínimo 6 meses, tem o direito de receber o seguro desemprego, tanto no caso de desligamento por parte da empresa quanto de pedido de demissão! A única diferença é que, quando a pessoa pede demissão, ela terá um período de suspensão de 3 meses. Cumprido esse prazo, receberá o auxilio normalmente.
Na minha opinião essas agências estão realmente interessadas em ajudar o trabalhador na busca por uma recolocação no mercado de trabalho. Também promovem cursos profissionalizantes, organizam palestras e oferecem cursos gratuitos de japonês para estrangeiros. E se a pessoa que está recebendo o seguro conseguir um emprego e desistir dos pagamentos, ela ainda ganha uma bonificação em dinheiro!
Quadro de avisos
Realmente, notei uma diferença imensa com o serviço prestado no Brasil. Lembro-me bem como era: madrugar na fila do Poupatempo para pegar uma senha e ficar lá até às 13h para ouvir a atendente dizer que não tinha uma vaga no meu perfil. Difícil né! Mas, espero que as coisas tenham melhorado por ai.
O que acharam desse sistema? Dúvidas, comentários ou sugestões para enriquecer o post, escreve abaixo que ficarei muitooo =)
Abraços
Thais Fioruci


10 comentários em “HELLO WORK – AS AGÊNCIAS DE EMPREGO NO JAPÃO

  1. Olá!!

    Sistema curioso esse. Aqui você vai, se você não se inscreve para uma vaga (que geralmente não é o seu perfil), as atendente perguntam qual faixa salarial, quanto ganhou no último emprego e se tiver disponível, elas oferecem alguma vaga (para mim só veio telemarketing, que eu estava fugindo) e se não tiver elas pegam seu cúrriculo. (ainda acho que usam como rascunho depois) ¬¬

    Passei quase um ano procurando emprego (sem benefício, porque pedi as contas) e emprego no Brasil é complicado. Parece que só existe vagas para telemarketing e caso você tenha se formado eles geralmente pedem com experiência… É, a situação aqui é complicada…

    Você já utilizou esse sistema?

    Até breve

  2. Bom, na cidade onde moro tem a "Central do Trabalhador" .Acho que deve ser o mesmo sistema do Japão.Oferece cursos profissionalizantes também.Acho que não tem suporte para estrangeiros.Nunca utilizei o serviço, mas sempre vejo noticiário regional falando sobre as vagas em aberto e os salários.Geralmente muita exigência para pouca remuneração.

  3. Realmente bastante prestativo e com certeza ajuda muito. Aqui onde eu moro tem algo parecido, mas é um pouco mais complicado, acho eu.
    Conheci o blog a pouco tempo e estou gostando bastante.
    Parabéns pelo ótimo conteúdo do blog.

  4. Olá!!!

    Ah sempre vagas de telemarketing. Eu trabalhava em um call center como recepcionista em São Bernardo. Mas, vc tem q fugir dessas vagas, pq se trabalha uma vez, pronto, só te encaminham para vagas nesse perfil depois. Nossa, e qto gasto em impressão, envelope e foto! Dava uma raiva! Sei bem como a situação ai …. me formei e não conseguia emprego porque não tinha feito estágio e todo a minha experiência era na aréa administrativa. Sem falar, no salário né.

    Nesse momento, estou recebendo o auxilio e assim conheci as Hello Work, que antes só ouvia os outros dizendo. E lá me encaminharam para um curso técnico em japonês. Só tenho a agradecer!

    Beijos
    Thais Fioruci

  5. Olá Iruka chan!

    Conheço a Central do Trabalhador. Nunca usei mas ouvia o pessoal reclamando. Era sempre cheia em São Paulo e nunca tinham vagas. Ah .. ai é … muita exigência para pouco salário!

    Bjos
    Thais Fioruci

  6. Olá Inácio!!!

    Onde eu morava tinha e até funcionava, mas ultimamente, a cidade cresceu demais e o serviço já não conseguia atender a demanda. Uma pena!

    Seja muito bem vindo ao blog! Muito obrigada pelos elogios e espero que continue acompanhando o conteúdo! Se cuida!

    Abraços
    Thais Fioruci

  7. Oi Thais, nossa, quando eu chegar no Japão vou procurar uma agencia dessas para fazer um cursinho ou participar de palestras educativas. Parece bem interessante e deve ser melhor do que o sistema brasileiro. Os estrangeiros podem fazer palestras também? Tipo, eu não sou Japonesa mas posso fazer uma palestra para o pessoal ai?
    Abraços Ana Luisa….

  8. Oi Ana Luisa!!!!

    Sim, realmente os cursos são sérios e muito bons! Cursos desse tipo custam caro, se vc for pagar em uma escola particular. Sim, os estrangeiros podem fazer as palestras tb mas a maioria são em japonês. Para aqueles que não falam o idioma, também tem cursos à parte.

    Beijos
    Thais Fioruci

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *